Acerca de mim

A minha foto
Maia, Porto, Portugal
Praça Dr. José Vieira de Carvalho, 45 - 2º Esq./Traseiras, "Edifício Lidador" 4470 - 202 MAIA (frente à Câmara Municipal da Maia).

QUEM SOMOS?

QUEM SOMOS?

O Grupo de Estudos Espíritas Nova Sagres é uma Associação constituída por pessoas da Maia e arredores, que se interessam pelo estudo, divulgação e a prática da Doutrina Espírita, codificada por Allan Kardec.

Nosso Objectivo:

NOSSO OBJECTIVO:

Contribuir, através do estudo e divulgação do Espiritismo, para que todos os habitantes deste nosso planeta Terra encontremos a razão da nossa existência.
De onde vimos, para onde vamos e porque estamos aqui hoje!
Porque é assim a nossa vida! O que poderemos fazer para a melhorar!

Horário

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

> Segunda-feira: (Público)

19:00 às 20:45 - Atendimento Fraterno.
21:00 às 22:30 - Estudo Básico da Doutrina Espírita.

Nota: Na 1.ª Segunda-feira de cada mês, o Estudo será substituído pela exibição de um Filme ou Documentário de caracter Espiritualista.

> Terça-feira - Encerrado.

> Quarta-feira: (Público)
19:00 às 20:45 - Atendimento Fraterno.
21:00 - Exposição Espírita (Palestra) seguida de Passe.

> Quinta- feira: (Privado)
21:00 às 22:30 - Estudo Avançado.

> Sexta-feira: (Privado)
20:50 às 22:30 - Reunião de Trabalhadores.

> Sábado e Domingo - Encerrado.

> Atendimento por marcação - (fora do horário normal de atendimento)
Diamantino Cruz - Telem. 96 984 29 29





Contactos

CONTACTOS:

E-mail: gee.nova.sagres@gmail.com

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Mensagem da Semana

PASSE MAGNÉTICO NA OBSESSÃO


"José ia apressado, com o guarda -chuva no braço esquerdo e assim que virou a esquina, um misto de esperança e incerteza invadiu-lhe a alma. Era noite, caía uma chuvinha fina intermitente, porém a temperatura era agradável.


Alguém já lhe tinha falado sobre a existência daquela Casa Espírita naquela rua, mas já não se recordava quem. Mas algo no seu íntimo dizia que deveria persistir, ir adiante.
Para ele, esta seria a sua última oportunidade de encontrar a cura. Depressivo desde os 9 anos, tinha recentemente tomado a decisão de que teria chegada a hora de encontrar a "solução definitiva" para este problema, ou ..... (Já tinha tentado o suicídio algumas vezes....)


Mergulhado nas suas angústias depara-se com o portão de acesso à Casa. Ninguém da sua família sabia que lá estaria. Como explicaria o seu atraso naquela noite? E se algo desse errado? Irá demora-se muito? O que encontraria naquela Casa Espírita? Dúvidas e incertezas não faltavam, mas no seu íntimo sabia que tinha que persistir.
Avança Casa a dentro. Depara-se com uma rapariga de um sorriso simpático e receptivo. Responde à saudação de boa noite ainda hesitante. É convidado a sentar-se na sala de espera para as entrevistas. O ambiente é calmo e uma música suave invade a sua alma, transmitindo paz, conforto e segurança. Enquanto aguarda lê um livro psicografado por Chico Xavier com mensagens de incentivo e reconforto. Após algum tempo, é convidado a entrar na sala de entrevistas. Senta-se em frente da entrevistadora, sem saber o que dizer, nem por onde começar; emociona-se, sente algo acolhedor naquele ambiente. Aos poucos vai contando as suas dores e sofrimentos que dilaceram a sua alma. Angústias, tristezas e perturbações de toda ordem afectaram-no ao longo de toda sua vida. Diversas tentativas de suicídio, agonia, profunda depressão. Precisava "sair daquele estado".




Recebe palavras de incentivo e apoio da entrevistadora, que lhe pede para voltar na próxima quarta feira à noite, para ouvir uma palestra sobre o Evangelho e para iniciar sua assistência, e tratamento.Antes de sair da Casa recebe um passe magnético e tem uma sensação de paz e harmonia invadindo o seu ser. O mesmo passista, sem qualquer informação sobre o caso, realiza o tacto magnético e identifica desajustes no centro de força esplénica.
É colocado um número na sua ficha e esse número segue, sem nenhuma informação adicional, ao Colégio Espiritual, onde a Casa Espírita recebe do Plano Maior orientações sobre o assistido. Ao final dos trabalhos daquela noite, reúnem-se, entrevistadora, passista e médium do Colégio Espiritual e o diagnóstico é unânime: Passes magnéticos.
Quarta-feira à noite, lá está José. Dirige-se ao salão de palestras. Enquanto aguarda ouve a música suave do ambiente e faz leituras que elevam os seus pensamentos. Assiste à palestra e repara em algo intrigante; embora haja uma dezena de pessoas na sala, sente que aquela palestra foi feita para ele....
Em ambiente de paz e fraternidade entra na sala de passes. Recebe uma sequência de passes magnéticos dispersivos longitudinais activantes e calmantes e séries de dispersivos cruzados no centro de força esplénica.





Emociona-se, sente uma paz muito grande e sente que apesar de ninguém lhe ter tocado, algo começa a mudar e para melhor. José fica muito admirado pelo facto de se sentir bem, motivado e feliz naquele ambiente. Retorna por várias e várias semanas, seguindo o mesmo roteiro de Palestras e Passes Magnéticos. Cada vez sentindo-se melhor. Aceita o convite para participar dos estudos da Casa sobre a Doutrina Espírita. Sente-se feliz e motivado por compreender uma série de coisas que antes desconhecia.

Sente-se cada vez melhor. Ao longo das semanas em que recebeu os passes magnéticos constatou diversos casos de outros confortados que também se beneficiaram com a aplicação desta técnica para os mais diversos casos.
Ao final da assistência, ele quer continuar na Casa. Quer continuar os seus estudos e trabalhar no auxílio ao próximo. A sua vida ganhou outra motivação!
São tantos os que sofrem e que necessitam de amparo e ele pode agora, ser um desses instrumentos de Deus na Assistência ao próximo.
Este é o sentido da sua vida agora! "

A Depressão e o Passe Magnético publicado 14/12/2009 por SILNEY DE SOUZA






O PASSE
O passe não é unicamente transfusão de energias anímicas.
É o equilibrante ideal da mente, apoio eficaz de todos os tratamentos.
Desânimo e tristeza, tanto quanto insatisfação e revolta, são síndromes da alma, estabelecendo distonias e favorecendo moléstias do corpo.
Se há saúde, esses estados de espírito patrocinam desastres orgânicos; na doença equivalem a fatores predisponentes na desencarnação prematura.
Mas não é só isso.
Em todo desequilíbrio mental as forças negativas entram mais facilmente em acção instalando processos obsessivos de duração indeterminada.
Se usamos o antibiótico por substância destinada a frustrar o desenvolvimento de microorganismos no campo físico, por que não adotar o passe por agente capaz de impedir as alucinações depressivas, no campo da alma? Se atendemos à assepsia, no que se refere ao corpo, por que descurar dessa mesma assepsia no que tange ao espírito? A aplicação das forças curativas em magnetismo enquadra-se à efluvioterapia com a mesma importância do emprego providencial de emanações da eletricidade.
Basta lembrar que o Evangelho apresenta Jesus, ao pé dos sofredores, impondo as mãos.


(em Opinião Espírita, dos Espíritos Emmanuel e André Luiz, por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira)

domingo, 17 de outubro de 2010

CARIDADE DO PENSAMENTO

Sabemos todos que o pensamento é onda de vida criadora, emitindo forças e atraindo-as, segundo a natureza que lhe é própria.
Fácil entender, à vista disso, que nos movemos todos num oceano de energia mental.
Cada um de nós é um centro de princípios atuantes ou de irradiações que liberamos, consciente ou inconscientemente.
Sem dúvida, a palavra é o veículo natural que nos exprime as idéias e as intenções que nos caracterizem, mas o pensamento, em si, conquanto a força mental seja neutra qual ocorre à eletricidade, é o instrumento genuíno das vibrações benéficas ou negativas que lançamos de nós, sem a apreciação imediata dos outros.
Meditemos nisso, afastemos do campo íntimo qualquer expressão de ressentimento, mágoa, queixa ou ciúme, modalidades do ódio, sempre suscetível de carrear a destruição.
Se tens fé em Deus, já sabes que o amor é a presença da luz que dissolve as trevas.
Cultivemos a caridade do pensamento.
Dá o que possas, em auxílio aos outros, no entanto, envolve de simpatia e compreensão tudo aquilo que dês.
No exercício da compaixão, que é a beneficência da alma, revisa o que sentes, o que desejas, o que acreditas e o que falas, efetuando a triagem dos propósitos mais ocultos que te inspirem, a fim de que se traduzam em bondade e entendimento, porque mais dia menos dia, as nossas manifestações mais íntimas se evidenciam ou se revelam, inelutavelmente, de vez que tudo aquilo que colocarmos, no oceano da vida, para nós voltará.

Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Paciência.
Ditado pelo Espírito Emmanuel.
CEU, 1983

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Mensagem de Paz

 A PAZ QUE TRAGO NO MEU PEITO

A paz que trago hoje no meu peito é diferente da paz que sonhei um dia…
Quando se é jovem ou imaturo, imagina-se que ter paz é poder fazer o que se quer, repousar, ficar em silêncio e jamais enfrentar uma contradição ou uma decepção.
Todavia, o tempo vai nos mostrando que a paz é resultado do entendimento de algumas lições importantes que a vida nos oferece.A paz está no dinamismo da vida, no trabalho, na esperança, na confiança, na fé…Ter paz é ter a consciência tranquila, é ter a certeza de que se fez o melhor ou, pelo menos, tentou…Ter paz é assumir responsabilidades e cumpri-las, é ter serenidade nos momentos mais difíceis da vida.

Ter paz é ter ouvidos que ouvem, olhos que veêm e boca que diz palavras que constroem.
Ter paz é ter um coração que ama…Ter paz é brincar com as crianças, voar com os passarinhos, ouvir o riacho
que desliza sobre as pedras e embala os ramos verdes que se espreguiçam nas suas água…


 Ter paz é não querer que os outros se modifiquem para nos agradar, é respeitar as opiniões contrárias, é esquecer as ofensas.
Ter paz é aprender com os próprios erros, é dizer não quando é não que se quer dizer…
Ter paz é ter coragem de chorar ou de sorrir quando se tem vontade…
É ter forças para voltar atrás, pedir perdão, refazer o caminho,agradecer…
Ter paz é admitir a própria imperfeição e reconhecer os medos, as fraquezas,
as carências…


A paz que hoje trago no meu peito é a tranquilidade de aceitar os outros como são, e a disposição para mudar as próprias imperfeições.
É a humildade para reconhecer que não sei tudo e aprender até com os insectos…
É a vontade de dividir o pouco que tenho e não me aprisionar ao que não possuo.É melhorar o que está ao meu alcance, aceitar o que não pode ser mudado e ter lucidez para distinguir uma coisa da outra.

É admitir que nem sempre tenho razão e, mesmo que tenha, não me chatear por ela.
A paz que hoje trago no meu peito é a confiança naquele que criou e governa
o mundo…
A certeza da vida futura e a convicção de que receberei, das leis soberanas
da vida, o que a elas tiver oferecido.







Pense nisso!



Às vezes, para manter a paz que hoje mora no teu peito, é preciso usar um poderoso aliado chamado silêncio.
Lembra-te de usar o silêncio quando ouvir palavras infelizes.


Quando alguém está irritado.
Quando a maledicência te procura.
Quando a ofensa te golpeia.
Quando alguém se encoleriza.
Quando a crítica te fere.
Quando escutas uma calúnia.
Quando a ignorância te acusa.
Quando o orgulho te humilha.
Quando a vaidade te provoca.
O silêncio é a gentileza do perdão que se cala e espera o tempo, por isso é
uma poderosa ferramenta para construir e manter a paz.

 
"XICO XAVIER"

MUITA PAZ!

sábado, 2 de outubro de 2010

Mensagem da Natureza


~ O Homem e a Natureza ~


A cada dia que passa a Natureza vem sofrendo um processo de destruição em ritmo acelerado. Paradoxalmente, o progresso é o principal causador desse desastre em escala mundial.
Gibran, com percepção e sensibilidade já previra essa catástrofe há muitos anos atrás ao escrever um texto primoroso: "O Homem e a Natureza", no qual ele imagina comoventes diálogos com os pássaros, com as flores... E termina com uma pergunta, que deverá ser de agora em diante, o nosso grito de protesto:
 “Por que o homem deve destruir o que a Natureza construiu?”

Ao romper do dia, sentei-me na campina, travando conversa com a Natureza, enquanto o Homem ainda descansava sossegadamente nas dobras da sonolência. Deitei-me na relva verde e comecei a meditar sobre estas perguntas:
Será a Beleza Verdade? Será Verdade a Beleza?
E nos meus pensamentos vi-me levado para longe da humanidade. A minha imaginação descerrou o véu da matéria que escondia meu íntimo. A minha alma expandiu-se e senti-me ligado à Natureza e aos seus segredos. O meus ouvidos puseram-se atentos à linguagem das suas maravilhas.
Assim que me sentei e me entreguei profundamente à meditação, senti uma brisa perpassando através dos galhos das árvores e percebi um suspiro como o de um órfão perdido.

“Por que te lamentas, brisa amorosa?” perguntei.
E a brisa respondeu: “Porque vim da cidade que se escalda sob o calor do sol, e os germes das pragas e contaminações agregaram-se às minhas vestes puras. Podes culpar-me por lamentar-me?”

Vi depois as faces de lágrimas coloridas das flores e ouvi o seu terno lamento...E indaguei: “Por que chorais, minhas flores maravilhosas?”
Uma delas ergueu a cabeça graciosa e murmurou: “Choramos porque o Homem virá e nos arrancará, e nos porá à venda nos mercados da cidade.”
E outra flor acrescentou: “À noite, quando estivermos murchas, ele nos atirará no monte de lixo. Choramos porque a mão cruel do Homem nos arranca das nossas moradas nativas.”

Ouvi também um riacho lamentando-se como uma viúva que chorasse o filho morto, e o interroguei: “Por que choras meu límpido riacho?”
E o riacho retrucou: “Porque sou compelido a ir à cidade, onde o Homem me despreza e me rejeita pelas bebidas fortes, e faz de mim carregador do seu lixo, polui a minha pureza e transforma a minha serventia em imundície.”

Escutei, ainda, os pássaros soluçando e os interpelei: “Por que chorais meus belos pássaros?”
E um deles voou para perto, pousou na ponta de um ramo e justificou: “Daqui a pouco, os filhos de Deus virão a este campo com as suas armas destruidoras e desencadearão uma guerra contra nós, como se fôssemos os seus inimigos mortais. Agora estamo-nos a despedir uns dos outros, pois não sabemos quais de nós escaparão à fúria do Homem. A morte nos segue, aonde quer que vamos.”

Então o sol já se levantava por trás dos picos da montanha e coloria os topos das árvores com auréolas douradas. Contemplei tão grande beleza e me perguntei:
“Por que o homem deve destruir o que a Natureza construiu?”














A Voz do Mestre, Gibran Kahlil Gibran – Tradução do original, em inglês: Arnaldo Poesia.